Os negócios de impacto em ação no combate às repercussões do Coronavírus

 

É certo que as formas de empreender e de criar negócios sofreram transformações consideráveis nos últimos anos, seja por uma necessidade de se readequar aos avanços tecnológicos e às alterações que estes provocaram no mercado, seja pela crescente obrigação de agregar valores e responsabilidades sociais ao produto ou serviço oferecido, indo além da preocupação exclusiva com o lucro, que já não é mais suficiente para manter uma empresa com a imagem forte e positiva em um mundo cada vez mais atento às questões socioambientais.

 

Foi nesse cenário que surgiram os chamados negócios de impacto, aqueles que conciliam a preocupação com o impacto social e/ou ambiental com o retorno financeiro, identificando um problema local relevante e pensando o negócio como uma solução geralmente inovadora, lucrativa e escalável, que será avaliada por indicadores que comprovem o impacto gerado.

 

Diante das repercussões econômicas e sociais provocadas pela pandemia do Coronavírus no Brasil, esses negócios têm desempenhado um papel fundamental na realização de ações que contribuem positivamente para reduzir essas repercussões nas mais diversas áreas, como saúde, educação, meio ambiente, alimentos, dentre tantas outras.

 

Entidades impulsionadoras de negócios de impacto com mentorias e networking, as chamadas aceleradoras têm divulgado o trabalho feito por essas empresas para ajudar a combater os males trazidos pelo Coronavírus. Dentre elas, destacam-se Artemisia e Quintessa, ambas inseriram em seus sites uma lista de empresas aceleradas por elas e das ações dessas empresas, utilizando-se de seu caráter inovador para beneficiar a população e gerar ainda mais impacto com economia e solidariedade.

 

Dentre as ações de destaque, a startup Vittude criou ferramentas para manter a saúde mental das pessoas em quarentena, oferecendo consultas com psicólogos a preços módicos e, para o próprio psicólogo, três meses de adesão gratuita no aplicativo. Já a Mais Vívida recruta jovens para prestarem auxílio aos idosos e oferece a plataforma para que se comuniquem de forma remota, assim o idoso não precisa sair de casa para fazer atividades simples e necessárias como ir ao mercado, que podem ser feitas por um voluntário. A Firgun, o Impact Hub e o Empreende Aí criaram um fundo de urgência para conceder microcrédito aos empreendedores das periferias a juros baixos e com 120 dias de carência para pagamento.

 

A nível local, o destaque fica por conta do Somos Um, idealizador e executor do Desafio Retoma Ceará. Trata-se de uma maratona online para geração de ideias de fomento à economia em tempos de crise, permitindo a geração de emprego e renda para aqueles que foram mais afetados com a impossibilidade de trabalhar, como os autônomos, os informais e os pequenos empreendedores.

 

Ao todo quarenta e oito ideias foram propostas e doze foram selecionadas como finalistas, que foram avaliadas por especialistas de renome, incluindo agentes do Poder Público. As três ideias vencedoras estão sendo estimuladas pelo Somos Um, com o auxílio de seus parceiros, para que venham a se tornar realidade e a beneficiar a população cearense.

 

Vale a pena conhecer o trabalho desses e de outros negócios de impacto que vêm reinventando a economia no mundo, criando uma forma de capitalismo que emerge cada vez mais forte e que se mostra ainda mais importante em tempos de crise como o que estamos.

 


 

Comments (2)

Informações relevantes para o atual momento que passamos, no qual precisamos nos adequar a nova realidade.

Bravo!!! Precisamos de um Ceará com mais ações como esta!!!

Deixe seu comentário